Big Data parece não combinar com empresas de pequeno e médio porte, de algum modo somente grandes empresas com milhões de clientes poderiam se beneficiar da inteligência, previsão e segmentação analítica de dados.

Será mesmo?

Em novembro do ano passado a Hariken foi uma das empresas patrocinadoras e expositoras do RD Summit 2018, quando apresentamos rapidamente nosso produto como uma Plataforma de Big Data para Marketing Digital, caímos várias vezes na mesma objeção:

“ – Big Data é coisa de empresa grande, com milhões de dados por segundo, Bancos, Governo, Bolsa de Valores etc. Não tenho como pensar em Big Data agora.”

Trabalhando na Hariken por tanto tempo, nunca ouvi tantas objeções “na lata” e simplistas a respeito do problema que nos propomos a resolver.

Na volta do evento, tive algumas ideias e confesso que levei um pouquinho para o pessoal, então juntei a força de fazer com a vontade de provar e fui as pesquisas. Aqui vai o resultado do porque acredito que todas as empresas sendo ela pequena, média ou grande deveriam ter uma estratégia de Big Data.

Big Data para Pequenas e Médias Empresas: Primeiros passos.

“Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Para entender como alguém lê, é necessário saber como são seus olhos e qual é a sua visão do mundo.”

A frase é de Leonardo Boff no seu livro “A águia e a galinha: uma metáfora da condição humana” distribuído pela editora Vozes.

Já que o ponto de vista seria um bom ponto de partida, você concordaria que, para que as empresas grandes chegassem nesses milhões de dados, um dia eles tiveram que começar? Logo, por que não começar desde já? Concorda? Beleza, então um ponto para mim.

Eu não tenho a formação técnica, nem sei programar, o mais próximo disso que sei é mexer no Excel e alguns princípios de Macros e VBA.

Por inúmeras vezes no Financeiro, Vendas e Marketing algumas informações ficam soltas e até mesmo desconexas, porém todas podem ser organizadas para uma análise mais clara e objetiva.

Esta é certamente uma afirmação simplista e reduzida do Big Data, mas só juntar informação não basta, muita informação organizada ainda não resolve o problema do pequeno e médio empreendedor.

Aqui eu poderia até citar a Lei de Moore onde que o poder de processamento dos computadores dobraria a cada 18 meses”.  

Ou seja, o volume de dados e o poder de processamento dos nossos computadores não param de crescer e tornarem-se mais e mais acessíveis, há quem já faça projeções com os computadores quânticos.

Fazer citações de livros e leis seria só para levantar uma autoridade, eu me passaria por Dr. Wikipédia e isso ainda não resolveria o dilema.  Então 1 a 0 ainda, mas calma, vou chegar lá.

Os 5V’s do Big Data

Já falamos de Big Data aqui no blog, porém gostaria de apresentar algumas informações que diversos outros portais também mencionam,

Os tais do “5 Vs ” do Big Data:

• Volume – De quantos dados estamos falando?

• Velocidade – Com qual velocidade os dados são gerados?

• Veracidade – Essa informação é verdadeira?

• Variedade – Os dados são estruturados? Podem ser tabelados, combinados?  Acredita-se que 80% dos dados gerados diariamente, não sejam estruturados.

• Valor – Consegue agregar valor no seu negócio a partir da interpretação dos dados?

Quais as fontes de dados da sua empresa que preenchem os critérios acima? Aqui te peço para não olhar tanto para o quintal do vizinho, mas para o seu negócio e a infinidade de informações que ele gera diariamente.

Poderíamos até levar em consideração todas as áreas da sua empresa, mas vamos focar no marketing digital e vendas que é sempre o lugar onde temos que fazer “mais com menos”.

Abaixo, trago algumas questões que buscaria responder através dos dados gerados no dia-dia dos negócios.  Tudo é uma questão de organizar a casa, buscar a informação e usar ela de forma inteligente.

Fica a lição de casa:

  • Quantas pessoas acessam o meu site/app/blog em determinado período de tempo?
  • Destes que acessam, quantos são usuários únicos?
  • Quantos dos que acessam, se identificam e viram leads?
  • Dos que não se identificam, o que fazer?
  • Quando faço uma campanha de Search, Mídias Sociais, etc. Quanto o custo da campanha varia de acordo com a segmentação que faço da minha persona ideal? (Estima-se que até 60% do custo da campanha esteja atrelado aos dados utilizados para a segmentação).
  • Qual a taxa de conversão e ticket médio por canal online?
  • Qual a taxa de conversão e ticket médio por origem de acesso?
  • Qual a taxa de recompra do meu produto?
  • Qual o custo de aquisição por canal?

 Big Data em uma perspectiva Off-line

Seria estranho reproduzir as mesmas análises numa perspectiva off-line? Penso que não, afinal tudo se resume a “comportamento do consumidor”.

Por exemplo em um mercado de bairro:

  • Quantas pessoas entram na sua loja/dia?
  • Destas que entram elas já são clientes, te conheceram como, como vieram?
  • Quantas delas param na primeira gôndola, ou avançam até o final, para então irem ao caixa?
  • Quem chega no fundo da loja, já está com alguma cesta nas mãos ou tem que voltar e buscar?
  • Seus produtos com a maior margem estão no início ou fim da loja?

As grandes redes de supermercado, analisam esse comportamento com a mesma voracidade que os e-commerces rastreiam comportamento nos sites.

Logo, não estranhe se a pilha de fraldas de bebê em promoção no mercado, esteja bastante próxima da sessão de cervejas, que está bem próximo do carvão e de itens para churrasqueira. Vai que quem compra fraldas na sexta de noite, seja um pai e ao passar na para comprar fraldas antes de ir pra casa; por coincidência, deu uma vontade de tomar uma cerveja e, olha… carvão em promoção!

Eu sempre me pergunto isso. Quanto entramos em qualquer loja que seja, o (a) atendente nos trataria de maneira completamente diferente se estivéssemos acompanhados, se fôssemos 15 anos mais velhos/novos e ou do sexo oposto, etc, e porque motivo, os sites não fazem o mesmo?

Enfim, poderíamos enumerar diversas métricas de acompanhamento que uma boa e velha tabela com esses dados todos organizados e categorizados, certamente já poderiam nos ajudar a responder.

Pode ser que o seu negócio ainda não tenha a maturidade ou veja valor neste grau de detalhamento em um primeiro momento; e você nem tenha tempo para tamanha análise em sua rotina.

Talvez esse texto trouxe mais dúvidas que respostas, mas  levantar essas questões são essenciais para você começar seu Big Data.

Existem diversas plataformas como CRMs, ERPs, DMPs e alguns SaaS que se propõem a ajudar você.

Muita lição de casa?  Se eu te convenci fala com a Hariken que podemos ajudar.

Se ainda não, segue o jogo e acompanha o blog 🙂

Show Full Content

About Author View Posts

João Bruno Soares
João Bruno Soares

CFO e Data Addicted

Previous Você sabe o que são cookies na internet? Conheça os 3 tipos
Next Como aplicar Business Intelligence no marketing digital? Saiba aqui!
Close

NEXT STORY

Close

Descubra mais sobre montar campanhas em mídias sociais usando Big Data!

24/09/2018
Close